JESUS TE AMA COMO NINGUÉM POIS ELE É TEU SALVADOR

QUAL É A FUNÇÃO DO DIÁCONO?








TEXTO:

“Os diáconos igualmente devem ser dignos, homens de palavra, não amigos de muito vinho nem de lucros desonestos. Devem apegar-se ao mistério da fé com uma consciência limpa. Devem ser primeiramente experimentados; então, se não houver nada contra eles, que atuem como diáconos... O diácono deve ser marido de uma só mulher e governar bem seus filhos e sua casa. Os que servirem bem alcançarão uma excelente posição e grande determinação na fé em Cristo Jesus”
(1Timóteo 3.8-13> Tradução Nova Versão Internacional).


INTRODUÇÃO:

         O vocábulo “diácono” vem do grego “diákonos”. No grego, tal palavra tem o significado de ministro, servo e ajudante. Contudo, o que dar sentido (significado) a uma palavra (como a nossa) de fato, é seu uso (emprego) restrito no dado contexto. Em outras palavras, para definirmos qual é a função de um diácono à luz da Bíblia, precisamos primeiramente saber o significado dado pelos apóstolos a este termo quando escreveram suas cartas.
         Ora, no texto que acabamos de citar (1Timóteo 3.8-13), o apóstolo Paulo não define a “função” do diácono, pelo contrário, assim como ele faz com os bispos (nos versículos de um ao sete), também aqui o faz com os diáconos: elabora uma lista das qualidades destes obreiros.

         Quanto ao texto do livro de Atos dos Apóstolos (Cap. 6), não é dada uma descrição nítida (explícita) da função deste obreiro da casa do senhor. Embora, os apóstolos tenham instituído sete homens para “servirem às mesas” (At 6.2,3), e, este tipo de  “garçom de mesas”, está associados ao serviço social de alimentarem as viúvas; mais adiante, os “diáconos” Estevão e Felipe acabam exercendo a mesma função básica dos próprios apóstolos: pregam o Evangelho, realizam curas milagrosas, e até selam seus testemunhos como mártires (no caso de Estevão).

         A bem da verdade, o contexto do texto das qualidades dos diáconos da carta de primeira a Timóteo, também fala sobre as viúvas... E, se compararmos a lista das qualidades do bispo (pastor/presbítero) com a dos diáconos, não há diferença substancial. Aliás, assim como os bispos devem ser “aptos para ensinar” (1TM 3.2), os diáconos, por sua vez, devem ser “guardiões do mistério da fé” (1TM 3.9), o que no contexto da carta significa a mesma coisa.
         Portanto, se analisarmos bem os textos que no Novo Testamento nos apresenta quanto a esta questão, podemos definir a função do diácono como “um auxiliar do bispo”. Tal auxiliar eclesiástico, deve ser tão capaz em caráter no domínio da doutrina (depósito da fé) que, na falta do pastor, ele facilmente poderá exercer “provisoriamente e eficazmente” o episcopado.



AS QUALIDADES DO DIÁCONO

         À luz da Bíblia, o diácono deve ter as seguintes qualidades:
1)    Uma pessoa que deve ser honesta (dignos de confiança);
2)    Uma pessoa que não deve ter língua dobre (homem de uma só palavra);
3)    Uma pessoa que não é dada a muito vinho (homem que evita a embriaguez);
4)    Uma pessoa que não é cobiçosa de torpe ganância (homem que visa só lucro vergonhoso);
5)    Uma pessoa que foi primeiramente provada (homem que têm um bom testemunho dos de fora e da sua família);
6)    Uma pessoa casada com uma única mulher (homem que defende a monogamia bíblica);
7)     Uma pessoa que governem bem seus filhos e sua própria casa (homem que sabe administrar uma família);
8)    Uma pessoa cheia do Espírito Santo (homem que tem a experiência da comunhão com Deus> Atos 6.3).


CONCLUSÃO:

         No primeiro século, quando a Igreja estava surgindo e sendo edificada, o contexto histórico-social era totalmente diferente em relação aos nossos dias. Hoje, as viúvas são amparadas pelo Estado (INSS); a urgente necessidade de um evangelismo e pregação cristã entre pagãos, com perseguição do Estado ou do Judaísmo, já não existe. Nossa realidade é está relacionada a um contexto de liberdade religiosa, com uma Instituição chamada de Igreja que, como o Estado e as ONGs, requer mão de obra qualificada para o bom funcionamento de tais instituições. No caso da Igreja, ela precisa de diáconos para auxiliá-la e servi-la não só na santa ceia, mas em todas as liturgias dos cultos: tirar ofertas, recepcionar na porta, servir água as pessoas sentadas, ajudar os músicos, ajudar nos vários departamentos: berçário, cantina, vigiar o estacionamento, limpar e organizar a Igreja e os eventos, auxiliar na escola dominical, no evangelismo e nas visitas, na tesouraria e assistência social etc. Ora, como são muitos os departamentos, os diáconos como prepostos dos pastores, devem criar subgrupos de obreiros auxiliares: cooperadores, porteiros, manobristas, vigias, etc. Assim, hierarquicamente, o diácono está a um degrau abaixo dos pastores, aliás, serão os futuros pastores.


NOTA: Considero os títulos: pastor, presbítero, evangelista e mestres, como sendo da mesma função basica segundo o Novo Testamento.